• Type:
  • Genre:
  • Duration:
  • Average Rating:

Espelho Africano | Crítica | #MostraSP

Compartilhar

Por Renato Tamaoki

Espelho Africano é um retrato inusitado do viajante/documentarista suíço René Gardi, que dedicou parte de sua vida a expedições à África afim de documentar tribos locais cujas culturas eram, na visão de René, primitivas e exóticas. A visão de mundo do retratado se aproxima bastante do agora clichê do homem branco que devasta e invade o diferente por um puro impulso de provar a superioridade de sua cultura à base da força e do sofrimento. O filme sugere, desde os primeiros momentos, que a ideologia de René já foi há muito problematizada e intelectualmente superada.

Em favor do fio narrativo, o filme concede ao explorador ainda um voto de confiança: não o trata como alguém essencialmente mau, mas antes uma pessoa muito equivocada e igualmente motivada, inebriada pelo próprio ego. Partindo deste dado, o filme rejeita bater numa questão vencida; prefere acreditar num valor intrínseco do trabalho audiovisual de René, e faz isso ao objetivar as imagens por ele produzidas, desvinculando-as de seu discurso problemático.

Para fazer isso, o diretor rejeita mimetizar seu objeto de estudo, que pensava entender o outro por completo. Num esforço de equilíbrio, Hedinger, o diretor, submete o discurso e também as imagens de René a uma exposição meticulosamente objetiva. Essa objetividade não trata de uma retórica de isenção; sua opinião está ali bem colocada, mas é feita de maneira restritiva, com gestos econômicos, notadamente através da montagem crua e da linearidade do discurso, que nunca cede à ironia; assim como pela sutileza da trilha e dos efeitos sonoros que aquarelam a dramatização as narrações em off.

Apesar de custoso em seu ritmo e forma, pela própria natureza do filme de arquivo, o documentário cumpre o que propõe de saída: apresentar René a partir de seu próprio discurso e trabalho, operando um esforço oculto de delinear diferenças estritas de sentido e valor entre o valor do registro histórico do seu trabalho audiovisual e das ideias que o motivavam.

Sobretudo, o documentário se apresenta como um interessante estudo de caso; é sobre como a percepção a respeito de diferentes e superadas visões de mundo estarão, em última instância, sempre fundamentadas sobre uma percepção coletiva contemporânea, de agora, também sujeita a ser superada. Sugestivamente o filme manifesta, portanto, um desejo de que as coisas sejam olhadas e digeridas sempre com um pouco de calma.

 

________

Escute nosso PODCAST no: Spotify | Google Podcasts Apple Podcasts | Android | RSS
Entre para o nosso grupo no facebook AQUI
Curta nossa página AQUI
Siga-nos no instagram@sitecanalclaquete
.
.
.
Como TARANTINO filma uma cena?

Reviews for Espelho Africano | Crítica | #MostraSP

There are currently no reviews for Espelho Africano | Crítica | #MostraSP
Scroll to top